Lembrar dos anos 80 em plenos os anos 90 não foi uma atitude única e pioneira. Na verdade, isso era comum em roda de amigos onde muitas das vezes rodeadas com papos nostálgicos, relatando os bons tempos resgatando eles na nossa memória e preenchendo o coração de saudades.
Com o início da popularização dos computadores caseiro e do acesso à Internet, já tínhamos serviço de hospedagem gratuita na segunda metade da década de 90, possibilitando que as pessoas pudesse publicar seus site sem grande custo. Fazendo que alguns, migrasses seus fanzines impresso (ou feitos por fotocópia) por home pages. Daí, nasce a vontade de colher todas aquelas conversas nostálgicas e arquiva-las em um site, para quem estivesse fora da roda de amigos, pudesse também participar desse momento de boas lembranças. E assim começou o Geração 80.
O Início
Basicamente, a ideia de fazer uma Home Page veio primeiro do que definir o conteúdo da mesma. Isso pode parecer estranho, mas a ideia de ter um site próprio começou ser latente no final dos anos 90. Além da novidade em si, tínhamos desde então a possibilidade do nosso conteúdo ir longe.
O fato de, paralelamente, existir diversas conversas nostálgicas acontecendo, veio a ideia (ou a necessidade) de anotar tudo ou registrar. Seria uma forma de não esquecer de tudo aquilo que nunca esquecemos. Bastou aquele "click" na cabeça de unir as duas vontades. E foi o que aconteceu.
Bastou aos pouco anotar tudo aquilo que lembrávamos da saudosa década de 80. Logo após, depois de ter um conteúdo considerável, bastou organizar estes por temas (TV, Filmes, Música, Games, Variedades em geral) para melhor navegação na Home Page. Uma forma de deixar tantas lembranças estruturadas.
Textos prontos, mas está faltando alguma coisa: as imagens. Sim, o impacto nostálgico de você relatar algo que vem do fundo do baú é grande, mas mostrar ela é mais impactante ainda, indo pro fundo do coração de quem visita. Daí veio o grande trabalho de procurar revistas antigas e escanear (algo que não era tão fácil naquela época). Também tivemos ajuda de pessoas que tinham alguma coisa dessas guardadas em casa. Neste casos, íamos até o local para tirar algumas fotos. Em seguida, bastava revelar as fotos para posteriormente escanear.
Feito isso, bastou publicar o site em uma servidor gratuito (lembra do GeoCities?) e finalmente ter aquela sensação que você tem seu espaço fincado na Internet.
Site na Rede: "e agora?"
Depois do site pronto, chegamos ao ponto que perguntávamos para nós mesmo o que faríamos daqui em diante? Daí surgiram diversas dúvidas de como as pessoas conseguiriam encontrar o nosso site ou como poderíamos divulgar a nossa Home Page. Por ser tratar de um fanzine virtual, sabíamos que poderíamos atingir qualquer parte do mundo, mas sempre pensávamos como fazer isso realmente acontecer.
Inicialmente sites de busca como Yahoo!, AltaVista e Cadê foram o start disso tudo, contudo, de cara vimos que isso não era suficiente, apesar de serem os principais sites de busca da época. Também recorremos a outros site de busca menores, mas esse nem agregaram tanto como gostaríamos. Passamos então, a fazer uma estratégia muito comum naquela época: a divulgação boca a boca. Por mais que antiquado isso pareça, funcionou muito bem e impulsionou as visitas. Isso se deve que naquela época (com a conexão discada), não tínhamos acesso à Internet de forma constante e onipresente, esperávamos o melhor horário do dia para poder acessar e com tempo bem limitado de acesso. Com isso, esse divagação informal funcionou, pois as pessoas não precisavam buscar pelo site, elas já acessavam assim que conectavam.
Isso foi muito positivo, pois a maioria gostavam do conteúdo e nós elogiavam pessoalmente pelo trabalho, além de divulgarem para outros amigos também informalmente. Essa "ação em cadeia" fez que muito entrassem em contato, nos reportando todo o sentimento saudosista que tinham. Sem dúvida foi um início inesquecível.
Ascensão
O número de email foi crescendo cada vez mais. Era muito satisfatório receber mensagens de toda parte do Brasil nos parabenizando pelo site. Muitos, inclusive, nós ajudavam com mais conteúdo nostálgico. Passamos tem a preferência de resultados nos principais site de buscas, e premiados por site menores (isso era apenas para esses dites menores usar o nosso espaço para se divulgarem).
O ponto máximo que chegamos naquele momento, ficou por conta da matéria que o jornal O Dia (de circulação no Rio de Janeiro), destacou o site em uma matéria no seu caderno de informática. A partir desse momento, o site ganhou um número de visitante muito maior, além de uma grande quantidade de e-mails por dia. A partir desse momento, as coisas mudaram muito. Tínhamos que acompanhar esse crescimento, surgindo então, o ponto crucial para mudanças do site, onde uma simples Home Page passaria ser um site estruturado.
As Mudanças
Ter uma Home Page no final dos anos 90 não era ter muita coisa. Basicamente era um conteúdo todo feito em HTML, sem muitos scripts, fotos ou animações. O principal fator era o conteúdo apresentado: fixo e sem atualizações constantes. Era uma época que não existia os blogs e nem outra forma de atualização dinâmica (ainda mais em hospedagem gratuita). Tínhamos que abrir o HTML e editar com o conteúdo desejado. Ou seja, dava tanto trabalho como fazer um site do zero.
Com o crescimento, notamos que era necessário: atualizar o site constantemente, mudar para um servidor profissional (pago) e melhorar o endereço do site (sim, sites gratuitos tinham URL grande e complicadas). Tudo isso era uma forma de não só manter os visitantes do site, mas também consegui novos fãs.
Feito isso, nasce de forma definitiva o geracao80.com (sim, sem o BR, pois nessa época não era fácil registrar domínios .com.br sem ter um CNPJ). Isso agregou um ar de profissionalismo no site, mas ainda sim, tínhamos todo o processo manual de atualização como antes. Desta forma, decidimos atualizar o conteúdo de forma regular, estipulando 30 dias para novos conteúdos.
Os tais "novos conteúdos", eram textos que se aprofundavam mais em um determinado assunto. Também tentávamos enriquecer mais o acervo de imagens, por mais que não era uma tarefa fácil. Também passamos promover promoções sorteando CDs e camisetas. Indo por um caminho natural, o conteúdo do site se voltou mais na música dos anos 80, sempre destacando um grande artista da época em cada mês.
A Festa
Com o site cada vez mais dedicando a cena musical dos anos 80, naturalmente cogitou-se em realizar um evento que pudesse resgatar as festas daquela época. Hoje em dia, falar de festa anos 80 é algo bastante corriqueiro (e até batido), mas fala nisso logo no início dos anos 2000 era algo muito inusitado. Desta forma, fomos uns dos primeiro a idealizar esse tipo de festa. Para isso, separamos aquilo que vimos como "bandas seletas" dos anos 80, montamos o repertorio e, enfim, realizamos a primeira festa.
Com passar de cada edição, passamos aumentar mais ainda a experiência de ambientação dos anos 80, com telão exibindo vídeos e imagens dos anos 80 e um videogame Atari 2600 disponível para jogar com vários jogos clássico no louge. Toda essa ambientação, mais tarde, passaria ser um "padrão" para as demais festas anos 80 que viram surgir.
Apesar de muitas festas com o nome Geração 80 surgirem, nossos eventos foram realizados na noite Carioca e Paulista até segunda metade da década de 2000.
Nasce as Redes Sociais
Com a massificação da Internet pelo mundo e o aumento de acesso, começa a surgir as primeiras rede sociais. A primeira rede social que marcamos presença foi o Fotolog, onde postávamos conteúdo diário e informações das festas. Também utilizamos o espaço para divulgar a fotos dos eventos realizados, onde os nossos seguidores poderia se ver nas fotos e comentar, é claro.
Mais tarde marcaríamos presença no YouTube e no Orkut. A comunidade Geração 80 do Orkut tinha seu fórum aberto para todos os participantes, sempre mantendo o clima saudosista e com respeito a todos os membros. Também foi uma ótima forma de divulgar nossos eventos, oferendo descontos aos participante da comunidade.
Da Miscelânea Cultural a Década Caricata: O Declínio
Como tudo que está em alta, a cultura saudosista dos anos 80 virou moda. Isso teve um impacto negativo enorme, pois foi muito desgastante para toda cultura 80's que era apresentada. Existem diversos fatores que ajudaram nesse desgaste, que inclusive, surgiram de forma tão natural como tudo aquele sentimento saudosista dito por aqui no início.
Primeiramente, isso se deve ao surgimento de pessoas que passaram a curtir os anos 80 sem ter vivido eles. Por um lado, é muito legal ver alguém novo curtir uma cultura passada que ele não teve a oportunidade de viver na época, ou que viveu muito pouco. Por outro lado, isso acarretou em uma grande salada cultural, onde as pessoas acreditavam seriamente que escutávamos Balão Mágico ou Trem da Alegria da mesma forma que escutávamos The Smiths ou New Order. Essa mistureba se alastrou para redes sociais e para os eventos, desgastando muito a imagem da cultura 80's e tornando a mesma um tanto ridícula.
Isso incomodou muito quem viveu aquela época, no qual passaram a evitar esse tipo de conteúdo. Infelizmente, isso abriu mais espaço para pessoas que desconheciam os anos 80 como realmente foram, alimentando cada vez mais a imagem caricata. Desta forma, foi muito difícil se manter nesse cenário, por mais que não queríamos estar nesse meio, éramos associados desta forma. Seja por quem viveu os anos 80 ou que estava só na vibe.
Epílogo
No meio de tanto desgaste, foi inevitável o nosso desinteresse próprio e o encerramento das atividades. Contudo, não podemos culpar apenas esse desgaste do modismo que surgiu. Ao longo da evolução da Internet, não soubemos acompanhar com as tendências que levariam as redes nos dias de hoje. Não nos rendemos a cultura do blog, que nos prejudicou bastante no que diz respeito a atualização. Também ficamos estagnados nas redes sociais, não migrando para outras redes e nos estagnando em termos de engajamento com o público.
Entretanto, temos total ciência o quanto nosso trabalho foi significativo e inspirador (mesmo indiretamente) para muitos. Hoje em dia, é comum ver diversas contas nas redes sociais com o intuito de relembrar os anos 80. Também temos hoje os canais do YouTube apresentando o conteúdo saudosista de uma forma bem profissional, mas sem perder a informalidade com o espectador que recebem um conteúdo de muita qualidade e de uma forma bem agradável de relembrar.
Desta forma, não vamos falar do nosso futuro, mas sim o que deixamos. Nosso tempo já se foi e serviu de caminho para quem está aí hoje.
Como foi dito por Rob Gretton no filme 24 Hour Party People: "Ele que não quer voltar nunca mais, para se tornar uma lenda" (risos... kkkk).